#19 compartilhado

#19 compartilhado


Pensei que meu problema maior era caber de novo nas roupas e ser linda e pronto. Mas, sabe, eu descobri que é mais que isso.
Aí você percebe que jogar a culpa em sua gordurinha extra é só a ponta de um mega iceberg… Você é submissa, aceita coisas horríveis, sempre baixa a bola. 

 

Por: C.P

Segredo!

Bem, primeiramente e antes de mais nada, saiba que eu fiquei completamente encantadíssima com este projeto. Ele é inspirador. E, eu te entendo tão profundamente quanto ao seu desejo de conhecer as pessoas. Acredito que serei sua companheira, secreta, em compartilhar emoções e segredos tão secretos, que são segredos até para nós mesmas.

Eu não gostaria que revelasse meu nome, mas aceito que compartilhe minha história com as demais. Eu tenho 22 anos, sou lésbica, vegetariana, estudante de psicologia, ativista trans e quase não habitante de meu próprio corpo.
O título de meu e-mail se refere à incoerência aparente de meus sentimentos de inadequação em relação aos outros, ao mundo. Eu não sei quando tudo começou, sei apenas que, é difícil falar sobre isso sem chorar… Desde que me lembro faço dietas. Desde tão nova eu frequentava nutricionistas, e o cheiro do consultório de uma, tenho guardado até hoje. Inclusive, maçã e bolachas maizena são uma das comidas que eu mais odeio no planeta.
Estou feliz de poder dizer o que tenho tanta vergonha de dizer. Sei que preciso falar sobre isso, mas sinto-me envergonhada até de falar com minha psicóloga. Agora mesmo, estou tomando nota também de uma receita louca para emagrecer. Acho deprimente.
Eu me sinto tão gorda, tão nojenta, tão inadequada. Eu me sinto feia, me sinto boba, me sinto sempre tão à margem. Hoje em dia, por exemplo, eu me sinto inútil até no trabalho. Eu me esforcei tanto para conseguir este emprego, e agora que consegui, me sinto incapaz. Minha psicóloga me ouve, mas ela é magra! alta… bonita. Ruiva, olhos claros, cabelo liso. Como ela pode me entender? Acho que deve ser chato me ouvir reclamar. Minha namorada, ela é linda. Sinceramente, não entendo muito porque ela está comigo às vezes. E, ela não me acha gorda, fica brava quando choro ou quando me sinto mal… ela tenta me apoiar do jeito dela, dizendo que eu sou “gostosa”.
Eu não sei. Minha ex namorada era magra, e minha sogra magra era chata, e comia tudo tão certinho. Eu me achava gorda naquela época, mas, eu descobri que eu era magríssima! eu pesava menos de 60kg. E ela dizia que eu era gorda porque comia muita besteira.
Eu tive uma depressão avassaladora. Eu emagreci mais ainda, perdi o emprego, a namorada, e tentei me matar mais de uma vez. Quando eu melhorei, eu comia e era feliz. Eu era feliz. Mas, sempre fui meio compulsiva para comer, sabe? Eu ficava ansiosa e comia uma caixa de bombons sozinha!
Quando fiquei desempregada de novo, fiquei muitos meses sem trabalhar, e, de repente, engordei TANTO! Foi, estranho. Um dia eu me vi e: GORDA!
Minhas roupas não serviam. Eu suava. O rosto bonito que eu tinha, o corpo que, nas baladas, as mulheres tanto queriam, agora estava gordo. Tudo gordo. Meu rosto é tão redondo. E, meu corpo, ele não cabe nas minhas roupas. O estilo que eu tinha, o animo que eu tinha, a segurança que eu tinha… a feminilidade que eu tinha… parece que as calorias comeram tudo! rs é quase engraçado.
E, na verdade, eu não entendo, sabe? Eu acho incrível meninas gordinhas, que são de bem consigo mesmas… que vivem bem, e não se sentem erradas, nem culpadas. Eu acho MUITO incrível! eu super apoio! Tanto que, decidi me dar uma chance. Disse que a culpa eram das roupas, que iria me aceitar como sou. Comprei roupas novas, fiquei super dura! to mega sem dinheiro rs e aí, percebi que na verdade, o problema tá por dentro.
Eu to gorda e feia por dentro. O problema não é ser gorda, o problema é não me achar digna de nada, sabe? é não confiar em mim, não me valorizar… essa história de “amor próprio”, como é? eu não sei. E, eu não me cuido e não me amo. Acho que não tenho tempo e nem mereço, no fundo no fundo é isso.
Decidi fazer uma dieta louca, e no terceiro dia não consegui nem sair da cama.
Comer sempre me fez feliz. Hoje eu como com angustia. A fome geralmente me dá culpa!
Eu desejo ficar doente, para emgracer… isso é doentio.
Como pode, alguém apoiar, ajudar, trabalhar bem para as pessoas, se doar tanto, e se deixar à margem, desse tanto?
Pensei que meu problema maior era caber de novo nas roupas e ser linda e pronto. Mas, sabe, eu descobri que é mais que isso.
Aí você percebe que jogar a culpa em sua gordurinha extra é só a ponta de um mega iceberg… Você é submissa, aceita coisas horríveis, sempre baixa a bola. Eu vou te dizer, eu sou uma passivona moral.
Eu sou tão detestável! Desculpe te fazer ler isso, mas, é verdade, eu sou tão idiota, que eu não quis encontrar a mulher que eu mais amei na vida, por medo dela me achar horrível por estar gorda.
Mal sei eu própria, que mais horrível que minha cintura, que meu peito, que eu acho tão masculino, os meus pelos, e meu braço gordinho com estrias, são meus pensamentos.
Eu preciso me cuidar, eu preciso me cuidar… Carinho, pra mim, de mim.
Inclusive, posso te contar um segredo? Eu não te conheço, e você não me conhece, então, acho seguro… Eu tenho pelos em lugares tão errados… Eu tenho tanta vergonha. Até agora mesmo. Eu estou tão feliz em poder dividir esses segredos com você, mas, com tanto medo e com tanta vergonha de pensar que você pode me ler e me achar uma idiota.
Aí, eu penso, como posso ter medo que pensem que sou uma idiota, se, eu mesma me sinto e me acho uma idiota?
Será que eu posso ser linda? será que eu mereço mesmo ser amada? Você acha?
Com muita sinceridade, e com muito amor, com um nó na garganta, (segurado, já que estou no trabalho),
C.P

+ Não há comentários

Adicione os seus