Eu e água: As griôs da lesbianidade preta como referência para juventude lésbica

Eu e água: As griôs da lesbianidade preta como referência para juventude lésbica


A água me contou muitos segredos

Guardou os meus segredos

Refez os meus desenhos

Trouxe e levou meus medos

Grande mãe me viu num quarto cheio d’água

Num enorme quarto lindo e cheio d’água

E eu nunca me afogava

O mar total e eu dentro do enterno ventre

E a voz de meu pai, voz de muitas águas

Depois o rio passa
Eu e água, eu e água, eu…

(Maria Bethânia)

by Annie Gonzaga -  http://anniegonzaga.wix.com/fluidosmulticor

by Annie Gonzaga – http://anniegonzaga.wix.com/fluidosmulticor

 

Aconteceu no último final de semana, de 28 a 30 de Agosto, o II Seminário Nacional de Lésbicas negras e Bissexuais, em Curitiba. Foi um encontro super esperado, ao menos por mim, que mal dormi nas duas noites que antecederam minha viagem. Fiz a maior gambiarra e até me comprometi financeiramente pra comparecer nesse encontro, porque sabia que seria de extrema importância pra minha militância, pra minha vida. Acho que nunca acertei tanto quanto dessa vez, que decidi ir para o Senale Negras. Ultimamente tenho adoecido por causa da militância… Não é novidade que isso aconteça, mas é perigoso demais lembrar que num momento tão desesperador, considerei minha vida menos importante, desejei o vácuo que o esquecimento proporciona, levantei a ideia de deixar pra lá a militância e ir tentar a vida por outras bandas. Balela a minha! Sorte que Agosto me trouxe, bem no fim, essa oportunidade de levar tapas na cara e olhar meu próprio rabo com criticidade e coragem. Cheguei na quinta-feira de noite (27), e fui recebida como? Com sorrisos, gargalhadas, conversero gostoso numa mistura de sotaques que me inebriaram do início ao fim. Tão logo me aconcheguei em abraços que poderia dizer desconhecidos se não fosse a forte identificação que tive com cada uma naquele espaço. Me senti acolhida, querida, amparada como em nenhum outro espaço eu sentira antes. Não sei mesmo descrever com mais detalhes, pois  não há palavras que traduzem os sentimentos, principalmente quando se é negra e lésbica nessa sociedade que te extermina de várias maneiras.

Embora cansada demais, na noite do 27 não dormi mais que 3 horas. Isso não foi o problema, porque como disse minha amiga “Você tem todos os outros dias pra dormir o quanto aguentar!”. De fato, não perderia nada pelo cansaço, pensei eu. Mas o que eu não contava era com meu corpo pedindo arrego logo no sábado, depois da oficina “Juventude de Terreiro e extermínio da juventude negra”, que me bateu um mal estar e me fez arriar as pernas e desaguar num choro sem fim. Nos últimos meses fui murchando, preciso contar… Me enveredei por caminhos falsos, tóxicos de gente que só tem a destruir e nada a construir.  Quando dei por mim já estava afogando: Muito por ingenuidade, imaturidade… Por confiar demais e acreditar demais, também; bem trouxa fui.  Então, cheguei no Seminário com a bateria no vermelho… E apaguei no sábado. Mas tive todo amparo daquelas que eu mal conhecia e que já me queriam tão bem. Não só de aporte médico me disponibilizaram, como aporte afetivo e efetivo! Várias injeções de força dosada com sabedoria me foram dadas. Algumas pílulas de realidade e concretude eu ingeri sem água mesmo, porque eu tinha saliva – portanto, eu tinha meu corpo são. Litros de ancestralidade eu pude beber dessa fonte que foram pra mim as Griôs sapatonas. Quando eu poderia encontra-las?! Só num encontro assim para me aproximar e me recarregar através delas.

 

Foto no final da noite do 28 de Agosto - Por Rede de Mulheres Negras - PR

Foto no final da noite do 28 de Agosto – Por Rede de Mulheres Negras – PR

Foi tão intenso, lindo e inspirador! Realmente um marco importante na minha linha do tempo foi esse seminário. Jamais vou esquecer tudo que ouvi e vivi nesses 3 dias. Tampouco me esquecerei das palavras afetuosas com que me disseram verdades irrefutáveis, doloridas, mas que eu precisava ouvir. O seminário proporcionou um encontro geracional mais lindo do qual já fiz parte e tive notícias!
Pude ouvir com riqueza de detalhes, como foi a construção e articulação das lésbicas no Brasil… Pude saber mais do que o Google nesse quesito!… E ah como isso foi delicioso! Pude absorver toda experiência de quem já inventou a roda e  quer fazer com que ela continue rodando por cima do racismo&CIA. Como eu imaginava, a trajetória dessas militantes não foi um mar de rosas e facilidade nas ações, obviamente. Neusa das Dores trouxe na voz mança os percalços de se organizar o I Encontro Nacional de Lésbicas, em 1996 no Rio de Janeiro, dentro outras coisas.

Poder conversar, trocar risadas com Heliana Hemetério da Rede de Mulheres Negras do Paraná foi simplesmente encantador! Uma frase-chave que me contemplou muito porque veio de encontro com algumas coisas que ando tendo de presenciar, foi dito numa mesa durante a tarde, ela solta: “Eu sou historiadora, não sou psiquiatra pra ficar gerenciando ego” POW! Certamente você não é, Heliana! E disputa de egos é sempre algo bem ridículo, principalmente porque se esvazia politicamente e vira só um jogo de quem consegue passar a perna em quem primeiro. A juventude também tem esse péssimo hábito da petulância, do atrevimento de se confundir e achar que disputamos entre nós mesmas… Como se tivéssemos tal privilégio, que só poderia acontecer se fossemos detentoras de poder, de representatividade na máquina do Estado. Não temos. Somos pretas e lésbicas! Qual a dúvida, manas?! É bobagem e improducência acharmos que há realmente uma disputa entre nós. Ahh… tal engano só se esclarece depois de muito amaciamento de carne, como me disse Marta Almeida, da Rede Sapatá, sabiamente. De fato, mal comecei a caminhar e os obstáculos só vão aumentando à medida em que eu avanço. E se eu avanço e incomodo, é porque estou certa. Caso contrário, não haveria necessidade de me derrubar, não é mesmo!?

 

Heliana Hemetério e Neusa das Dores - Foto: Rede de Mulheres Negras -PR

Heliana Hemetério e Neusa das Dores – Foto: Rede de Mulheres Negras -PR

Pude assistir à melhor performance de toda minha vida, que me contemplou do inicio ao fim. Foi feita pela Rosângela Castro, do Rio de Janeiro,  a apresentação dos signos lésbicos desde a década de 80, onde pude saber finalmente o porquê de cada item que se configura numa identidade lésbica que me faz de pronto reconhecer a outra. Incrível como foi apresentada por quem vivenciou cada vestuário, cada acessório, cada momento. Rosângela traçou uma linha do tempo da construção da identidade lésbica e das motivações que levaram à usar determinadas coisas: memória viva a evidenciar lesbianidade por toda parte! Foi por causa dela e de outras anônimas guerreiras que temos a chance, de hoje,  podermos andar de mãos dadas com um mulher na rua, beija-la já sem medo da repreensão e com certeza do revide caso haja retaliação; acariciar outra mulher da forma natural que é. Sem dúvida devemos nossas jovens vidas à essas griôs lesbianas, que pouco temos notícias a não ser por via de encontros como este.  Acredito que devemos à elas a manutenção de uma vida lésbica e bissexual, plenamente V I S Í V E L ! Lembro bem da Neusa falando sobre nos atentar para que numa velhice futura, não voltemos de novo ao armário. Não voltaremos, Neusa! Envelheceremos linda e radiante feito você, com os cabelos naturalmente claros, endredados, encrespados, de black, com nossa mulher ao lado, promovendo encontro como este que vocês fizeram!

 

by Annie Gonzaga -  http://anniegonzaga.wix.com/fluidosmulticor

by Annie Gonzaga – http://anniegonzaga.wix.com/fluidosmulticor

Acredito que meu papel enquanto jovem negra lésbica militante, é também manter viva em nossas memórias instantâneas, o nome de cada uma delas. Suas trajetórias. Suas atuações e articulações. Saber onde cada uma já atuou e o que puderam conquistar. Dessa forma, já fica dado nossas opções de caminho a seguir, exemplos de onde podemos ir e de como faremos para chegar, que é o maior desafio pra uma juventude que periga se afastar da velha guarda por birra. Aliás, o encontro geracional foi tão extasiante que não tive a chance de me sentir deslocada ou ter meus posicionamentos menosprezados, como as vezes acontece no movimento social, onde a hierarquia etária é usada para afastar. Pude vivenciar o contrário, totalmente contrário! Pude observar uma interação saudável das mais velhas com as mais novas, em plena harmonia que se deve ter naturalmente, não omitindo nossas divergências, mas tratando delas da melhor forma.

E eu, que não sou de religião de matriz africana, pude beber dessa fonte ancestral que veio carregada em cada uma das mulheres axé que estavam presentes. Nos versos entoados pela voz serena da mãe Verônica Lourenço, da Rede Sapatá, flutuei nas águas mansas que ela trazia consigo simbolicamente. Tão encantadora que nem consegui registrar um vídeo. Eu só queria olha-la, ouvi-la e me banhar daquela energia potente que emanava a cada verso cantado, a cada fala política na hora do debate. Novamente bateu em minha porta a vontade de me aproximar mais do terreiro, das tradições, da oralidade histórica que as mulheres negras de axé trazem consigo, porque também é território político, de construção e manutenção coletiva, dialética diaspórica que não podemos perder jamais de vista! Essa perspectiva só me foi possível pela generosidade tamanha com que cada uma recebeu por lá. Eu sou imensamente grata, pois esse encontro transformou muito de mim.

"Um sorriso negro, um abraço negro...Traz felicidade..." - Foto: Rede de Mulheres Negras- PR

“Um sorriso negro, um abraço negro…Traz felicidade…” – Foto: Rede de Mulheres Negras- PR

Dessa vez a palavra UBUNTU ecoou em meus ouvidos de uma forma diferenciada, porque veio de lésbicas e bissexuais negras, de combatentes mulheres que me fizeram sentir o significado: “Eu sou por que você é“. Eu sou uma lésbica negra porque vocês, todas que participaram do II Seminário Nacional de Lésbicas Negras e Bissexuais, são antes de mim. Porque vocês abriram os caminhos com bondade, afim de fazer com todas sejamos visíveis nesse emaranhado de opressão.

Sendo assim, sigo fortalecida na continuidade da minha vida, por inteira. Finalmente, me recompus junto das minhas semelhantes. Pronta estou! Logo nos reencontraremos na Marcha das Mulheres Negras, em novembro, enegrecendo o Distrito Federal com nossa presença lesbiana e bissexual!

Lésbicas e Bissexuais rumo à Marcha das Mulheres Negras 2015 - Foto: Rede de Mulheres Negras - PR

Lésbicas e Bissexuais rumo à Marcha das Mulheres Negras 2015 – Foto: Rede de Mulheres Negras – PR

+ Não há comentários

Adicione os seus